Regressar

Voltar ao fruto da fantasia
Provar desses mistérios circulares
Sem saber se a paixão já chegou
Amar o próprio amor
Como um louco faria
Não cansar na estrada
Andar léguas de dor
Estirar tua lembrança em mim
E assim quem me ver assim
Cinzenta na estrada
Talvez não saiba que já brilhei de amor
Mas nada se completa
Há um vazio na festa
Na taça vejo o antes
Aquele nosso tempo
Que o destino, esse corvo da névoa
Roubou, sorrateiro
No coração um poema
Uma canção de mágoa
E a mesma fantasia
De repor o arco íris
Por instantes
Alguns cálidos instantes.

Deixe uma resposta