Leveza

Teus olhos ausentes fazem de meus dias noites intermináveis
Levando-me às portas das trevas tão temidas
A tua ausência me faz sentir rastejante entre a dor e a solidão
que dominam minha alma lançada ao vago das lembranças…

Sem tua pele sinto-me jogado ao frio, nu…
Sem teus lábios deixo de sentir o néctar da vida,
Sem tuas palavras sou lançado ao desespero…

Se, antes, os dias se postavam prontos com a esperança da felicidade
Hoje, os dias vem como carrasco deixando marcas do teu descaso…
Se, entre meus lençóis, me fiz senhor sobre Eros,
agora, sou escravo das sensações que me levam ao passado
e jogam-me no confronto da realidade em que fostes miragem…

Com teu jeito felino adentrastes minha história
rasgou minhas páginas secretas
fez me sentir de senhor à criança
em meus dias gotas de mel,
Mas, depois, saístes de tudo…
Tal como uma brisa transformada na mais negra das sombras…

Se, antes, percorrias comigo as trilhas do amor e da luz,
agora estais no vale das sombras e lá não posso mais te ver
Enfim…escrevestes tua história…

(Paulo Nunes Junior)

Deixe uma resposta