Flor em fulgor

Meu caro poeta,
se entregue de corpo e alma,
coração e mente, deixe a
luz escrevente devanear
com você!

– Que seja feita sua vontade,
e assim entrego minhas letras
floydianas ao desabrochar
da flor em fulgor!

– Na sinceridade dos versos
aqui tatuados, me deixo despir
em luzeiros, para ter você
por inteira no sabor da laranjeira!

Caro amigo poeta,
se entregue ainda mais,
você pode, você deve
buscar sua felicidade,
a luz e seu caminho!

– Que o meu arco-íris,
mostre-se ainda mais belo,
espelhando nos olhos da amada,
minha frase pura e apaixonada!

Nas águas dos meus reversos,
aqui abertos ao universo,
faço-me em prantos, para ter você,
perolada a paixão, cristalina ao amor!

Meu caro poeta,
deixe-se falar com a emoção
de suas lágrimas, pois são
verdadeiras e o levam
ao cume do poema explosão!

Deixe uma resposta