Eu já…

Já fui amada
Já fui odiada
Já fui querida
Já fui desprezada
Já fui amante
Já fui namorada
Já chorei na calçada
Já confundi sentimentos
Já chorei ouvindo música no ônibus
Já fiquei sozinha no meio de 1000(mil) pessoas, sentido a falta de apenas uma só
Já vi o pôr do sol vermelho e alaranjado
Já tremi de nervoso
Já quase morri de amor, mas renasci novamente para ver o sorriso de alguém especial
Já me apaixonei e achei que era pra sempre
Já deitei na grama de madrugada e vi a lua virar sol
Já chorei por ver amigos partindo, mas descobri que logo chegam novos, e a vida é assim mesmo um ir e vir sem razão
Já roubei beijo
Já olhei a cidade de cima e mesmo assim não encontrei meu lugar
Já peguei atalho errado, e mesmo assim continuo andando pelo desconhecido
Já fiz amigos eternos
Já amei e não fui amada
Já fui amada e não amei
Já perdoei erros imperdoáveis e já fui perdoada
Já fiz coisas por impulso
Já me decepcionei com pessoas que nunca pensei em me decepcionar
Já abracei pra proteger
Já decepcionei alguém
Já chorei sentada no chão do banheiro
Já dei risada quando não podia
Já fiz juras eternas
Já chorei ouvindo músicas e vendo fotos
Já liguei só pra escutar a voz
Já me apaixonei por um sorriso
Já pisei na bola
Já me arrependi de escolhas que fiz
Já achei que sabia muito e descobri que nada sei
Já fiquei olhando as estrelas e fazendo pedidos ao luar
Já desejei um enorme buraco em que eu pudesse me esconder
Já pensei que fosse morrer de tanta saudade e tive medo de perder alguém especial
Já fiz cosquinha no meu amigo, só pra ele parar de chorar
Já me queimei brincando com vela
Já fiz bola de chiclete e melequei a cara toda
Já conversei com o espelho e até já brinquei de ser bruxa
Já quis ser professora, bailarina, médica, historiadora e trapezista
Já me escondi atrás da cortina e esqueci os pés pra fora
Já passei trote pelo telefone
Já tomei banho de chuva e acabei me resfriando
Já raspei o fundo da panela de brigadeiro
Já me cortei raspando a perna apressada
Já tentei esquecer algumas pessoas, mas descobri que essas são as mais difíceis de esquecer
Já subi escondida no telhado para tentar pegar as estrelas
Já fiz pedidos a uma estrela cadente
Já subi na árvore pra roubar fruta e caí de bunda no chão
Já me arrependi do que fiz e voltei atrás
Já escrevi no muro da escola
Já toquei a campainha e saí correndo
Já fugi de casa pra sempre e voltei no outro instante
Já troquei o certo pelo duvidoso
Já chorei até sentir os lábios dormentes
Já apostei em correr descalço na rua
Já gritei de felicidade
Já roubei rosas num enorme jardim
Já fui trocada

Foram tantas coisas feitas, momentos fotografados pelas lentes da emoção, guardadas num baú, chamado CORA

One Response

  1. be. 3 de março de 2010

Deixe uma resposta para be. Cancelar resposta