Escrevo teu Nome

Nos meus cadernos de escola
Na minha mesa e nas árvores
Na areia e na neve

Escrevo teu nome
Em cada página lida
Em cada página em branco
Pedra, sangue, papel ou cinza

Escrevo teu nome
Nas imagens douradas
Nas armaduras dos guerreiros
Na coroa dos reis

Escrevo teu nome
Na floresta e no deserto
Nos ninhos e nas cestas
Nas lembranças da minha infância

Escrevo teu nome
Nas maravilhas das noites
No pão branco da alvorada
Nas estações enlaçadas

Escrevo teu nome
Nos meus retalhos de azul
No charco que é sol mofado
No lago que é lua viva

Escrevo teu nome
Nos campos e no horizonte
Nas asas dos passarinhos
No moinho das sombras

Escrevo teu nome
Em cada sopro de aurora
Na àgua do mar em cada navio
Na montanha desvairada

Escrevo teu nome
Na espuma das nuvens
No suor das tempestades
Na chuva espessa e enfadonha

Escrevo teu nome
Nas formas resplandecentes
No carrilhão das cores
Na simples verdade concreta

Escrevo teu nome
Nos atalhos revelados
Nos caminhos desdobrados
Nas praças transbordantes

Escrevo teu nome
Em cada luz que se acende
Em cada luz que se apaga
Nas minha coisas reunidas

Escrevo teu nome
No pomo partido ao meio
De meu espelho e meu quarto
No meu leito concha vazia

Escrevo teu nome
No meu cão faminto e meigo
Nas suas orelhas atentas
Na sua pata canhestra

Escrevo teu nome
Na soleira da minha porta
Nas coisas da minha casa
Nas ondas do fogo sagrado

Escrevo teu nome
Em toda carne possuída
Na fronte de meus amigos
Em cada mão estendida

Escrevo teu nome
Na vidraça das surpresas
Nos lábios esperançosos
Muito acima do silêncio

Escrevo teu nome
Nos meus refúgios destruídos
Nos meus faróis destroçados
Nas paredes do meu tédio

Escrevo teu nome
Na ausência sem mais desejos
Na solidão toda nua
Em cada degrau da morte

Escrevo teu nome
Na saúde que voltou
No perigo que passou
Na esperança sem saudade

Escrevo teu nome
E ao poder de uma palavra
Reconheço a minha vida
Nasci para te conhecer
E para te amar Liberdade

Autor: Paul

Deixe uma resposta