Chuva Amiga

Chuva fina faz a tarde fria
Solidão que invade e desanima
Olhar pelo vidro da janela
Faz chorar comigo a saudades
Mansa tristeza que vem e invade
Norteia meus olhos magoados,
Que miram o céu esperando resposta:
– Onde estará você anjo meu?
– Qual constelação se pôs escondida?
Cruza meu grito alto que ecoa
Junta o silêncio lento que mágoa
Firmando que à ela entreguei minha vida!
Seu destino é meu destino
Nosso encontro e desencontro
Entre ruas desertas iluminadas
Sozinho triste em meu lamento
Fantasias em sombras de horror
Imploro a chuva lenta e amiga
– Espanta esse meu cruel momento
E leve essa minha alma sofrida
No aconchego do meu soberano amor!

Deixe uma resposta