A D. Joana

(No dia do seu aniversário)

SENHORA, eu vos dou versos, porque apanho
Das flores d’ahna um ramalhete agreste
E são versos a flora perfumada,
Que de meu seio a solidão reveste.

E vós que amais a parasita ardente,
Que abre como um suspiro em pleno maio,
E o aroma que anima o cálix rubro

Deixe uma resposta