Velório de Português

O Manuel está no velório à beira do caixão quando chega o Joaquim e pergunta:

O Caseiro Atrapalhado

publicidade anuncie

O sujeito estava no maior ronco, quando toca o telefone, em plena madrugada:

- Aqui é o Aristides, o caseiro da sua fazenda!
– O que houve Aristides, aconteceu alguma coisa grave?
– Nada não, doutor! Eu só queria avisar que o seu papagaio morreu!
– Meu papagaio? Aquele que ganhou o concurso no mês passado?
– Sim, este mesmo!
– Puxa, que pena! Eu havia pago uma pequena fortuna por ele… mas ele morreu de quê?
– Comeu carne estragada!
– Carne estragada? Quem deu carne estragada para ele?
– Ninguém… ele comeu de um dos cavalos que estavam mortos.
– Que cavalos?
– Dos seus cavalos puro-sangue! Eles morreram de cansaço, puxando a carroça dágua.
– Puxando a carroça dágua? Que água?
– Para apagar o fogo!
– Fogo? Onde?
– Na sua casa… uma vela caiu na cortina e ela pegou fogo.
– Vela? Mas quem foi acender vela lá em casa, se tinha eletricidade?
– Foi uma das velas do velório!
– Velório?!