Peço a Paz


Peço a paz
e o silêncio

A paz dos frutos
e a música
de suas sementes
abertas ao vento

Peço a paz
e meus pulsos traçam na chuva
um rosto e um pão

Peço a paz
silenciosamente
a paz a madrugada em cada ovo aberto
aos passos leves da morte

A paz peço
a paz apenas
o repouso da luta no barro das mãos
uma língua sensível ao sabor do vinho
a paz clara
a paz quotidiana
dos actos que nos cobrem
de lama e sol

Peço a paz e o
silêncio

Casimiro de Brito, in “Jardins de Guerra”

Alegria

publicidade anuncie


De passadas tristezas, desenganos
amarguras colhidas em trinta anos,
de velhas ilusões,
de pequenas traições
que achei no meu caminho…,
de cada injusto mal, de cada espinho
que me deixou no peito a nódoa escura

duma nova amargura…
De cada crueldade
que pôs de luto a minha mocidade…
De cada injusta pena
que um dia envenenou e ainda envenena
a minha alma que foi tranquila e forte…
De cada morte
que anda a viver comigo, a minha vida,
de cada cicatriz,
eu fiz
nem tristeza, nem dor, nem nostalgia
mas heróica alegria.

Alegria sem causa, alegria animal
que nenhum mal
pode vencer.
Doido prazer
de respirar!
Volúpia de encontrar
a terra honesta sob os pés descalços.

Prazer de abandonar os gestos falsos,
prazer de regressar,
de respirar
honestamente e sem caprichos,
como as ervas e os bichos.
Alegria voluptuosa de trincar
frutos e de cheirar rosas.

Alegria brutal e primitiva
de estar viva,
feliz ou infeliz
mas bem presa à raíz.

Volúpia de sentir na minha mão,
a côdea do meu pão.
Volúpia de sentir-me ágil e forte
e de saber enfim que só a morte
é triste e sem remédio.
Prazer de renegar e de destruir
o tédio,

Esse estranho cilício,
e de entregar-me à vida como a
um vício.

Alegria!
Alegria!
Volúpia de sentir-me em cada dia
mais cansada, mais triste, mais dorida
mas cada vez mais agarrada à Vida!

Fernanda de Castro, in “D’Aquém e D’Além Alma”

Apenas ouça-me

De tudo que possuo, defeitos talvez sejam os que em maior quantidade tenho, não nego, e não os escondo, infelizmente são uma realidade.
Não sei amar os que me amam, e sei que isso entristece a quem amo. Luto com toda a sinceridade do meu coração, mas parece que quanto mais tento, mais erro.
Olho você me olhar, com olhar de decepção, e sinto meu coração se transformar em pó. Não há outra pessoa que eu ame como amo você, mesmo que não pareça, e nem acredite.
Queria ser seu motivo de alegria, compartilhar seus momentos bons e ruins, estar ao seu lado para tentar evitar que suas lágrimas escorram, não só da face, mas de sua alma também.
Me alegro com sua alegria, e é assim que quero vê-la, feliz de verdade, diga-me o que eu posso fazer para que isso se realize e assim farei, pois é com toda a sinceridade do meu coração que digo a você que te amo.