Chiclete Argentino

publicidade anuncie

Um brasileiro está calmamente tomando o café da manhã quando um argentino
típico, mascando chicletes, senta-se ao lado dele.
O brasileiro ignora o argentino (óbvio) que, não se conformando, começa a
puxar conversa:
Argentino: Você come este pão inteirinho?
Brasileiro (de mau humor): Claro.
Argentino: Nós não. Nós comemos só o miolo, a casca nós vamos juntando num
container, depois processamos, transformamos em croissant e vendemos para o
Brasil.
O Brasileiro ouve calado.
O Argentino insiste: Você come esta geléia com o pão?
Brasileiro: Claro.
Argentino: Nós, não. Nós comemos frutas frescas no café da manhã jogamos
todas as cascas, sementes e bagaços em containers, depois processamos,
transformamos em geléia e vendemos para o Brasil.
Brasileiro: E o que vocês fazem com as camisinhas depois de usadas?
Argentino: Jogamos fora, claro!
Brasileiro: Nós não. Vamos guardando tudo em containers, depois processamos,
transformamos em chicletes e vendemos para a Argentina.

Lindas Frases de Amizade

A amizade nasce no momento em que uma pessoa diz para outra:

A Loucura e o Amor

publicidade anuncie
A Loucura resolveu convidar os amigos para tomar um café em sua casa. Todos os convidados foram. Após o café, a Loucura propôs:- Vamos brincar de esconde-esconde?

– Esconde-esconde? O que é isso? – perguntou a Curiosidade.
– Esconde- esconde é uma brincadeira.
Eu conto até cem e vocês se escondem.
Ao terminar de contar, eu vou procurar, e o primeiro a ser encontrado será o próximo a contar.

Todos aceitaram, menos o Medo e a Preguiça.

-1,2,3,… – a Loucura começou a contar.

A Pressa escondeu-se primeiro, num lugar qualquer.
A Timidez, tímida como sempre, escondeu- se na copa de uma árvore.
A Alegria correu para o meio do jardim.
Já a Tristeza começou a chorar, pois não encontrava um local apropriado para se esconder.
A Inveja acompanhou o Triunfo e se escondeu perto dele de baixo de uma pedra.
A Loucura continuava a contar e os seus amigos iam se escondendo.
O Desespero ficou desesperado ao ver que a Loucura já estava no noventa e nove.

– Cem – gritou a Loucura.

– Vou começar a procurar.

A primeira a aparecer foi a Curiosidade, já que não agüentava mais querendo saber quem seria o próximo a contar.
Ao olhar para o lado, a Loucura viu a Dúvida em cima de uma cerca sem saber em qual dos lados ficar para melhor se esconder.
E assim foram aparecendo a Alegria, a Tristeza, a Timidez…

Quando estavam todos reunidos, a Curiosidade perguntou:
– Onde está o Amor? Ninguém o tinha visto..
A Loucura começou a procurá-lo.
Procurou em cima da montanha, nos rios, debaixo das pedras e nada do Amor aparecer.
Procurando por todos os lados, a Loucura viu uma roseira, pegou um pauzinho e começou a procurar entre os galhos, quando de repente ouviu um grito.

Era o Amor, gritando por Ter furado o olho com um espinho .!
A Loucura não sabia o que fazer.

Pediu desculpas, implorou pelo perdão do Amor e até prometeu segui- lo para sempre.

O Amor aceitou as desculpas..

Hoje, o Amor é cego e a Loucura o acompanha sempre.

Fonte: Mensagens e Poemas

Os Justos


Um homem que cultiva o seu jardim, como queria Voltaire.
O que agradece que na terra haja música.
O que descobre com prazer uma etimologia.
Dois empregados que num café do Sul jogam um silencioso xadrez.
O ceramista que premedita uma cor e uma forma.
O tipógrafo que compõe bem esta página, que talvez não lhe agrade.
Uma mulher e um homem que lêem os tercetos finais de certo canto.
O que acarinha um animal adormecido.
O que justifica ou quer justificar um mal que lhe fizeram.
O que agradece que na terra haja Stevenson.
O que prefere que os outros tenham razão.
Essas pessoas, que se ignoram, estão a salvar o mundo.

Jorge Luis Borges, in “A Cifra”
Tradução de Fernando Pinto do Amaral