Encontro com Deus

De repente Deus me parece tão distante…
tão imenso, tão perfeito, tão inatingível…
Sou tão pequeno, tão longe da perfeição.
E é com muita humildade que me dirijo a Ele, buscando alcançá-Lo com minhas preces sinceras.
Fecho os olhos e pareço vê-Lo.
Não, é uma ilusão… E me sinto tão só.
Ouvi dizer que é nas coisas simples que Ele está.
Que vive dentro de mim.
E procuro tocá-Lo, cada vez em que penso estar agindo conforme Seu agrado.
Mas não percebo nada.
Nenhuma luz a me ofuscar a vista,
nenhum arrebatamento ou sensação incomum.
Então penso: Não sou digno Dele
e por isso não Se apresenta a mim.
Hoje percebi que esta busca é inútil.
Ou mais do que isso: desnecessária.
Deus não se alcança, se apreende.
Não será num dia longínquo que nosso encontro se dará.
A separação nunca existiu.
A não ser nos meus enganos.
Basta que eu esteja consciente no meu agir,em profunda conexão com aquilo que faço e Ele estará ali.
Os momentos em que me distancio são aqueles em que me desvinculo de mim mesmo e meus atos se tornam mecânicos, automáticos.
Mas, no mesmo instante em que restauro a ponte, sua presença se torna incontestável.
Quando viver é fruto do sentir e o sentir abre novas possibilidades para perceber o atendimento às necessidades do outro como um trabalho que precisa ser feito, por pura lei de compensação,
então Deus vive nestes atos.
E não será preciso procurá-Lo.
Nem Ele virá ao nosso encontro porque nunca saiu dali.
Não penses que o teu encontro com Deus
está marcado para o dia em que fores melhor e mais perfeito.
Ele acontece todos os dias, em todos os momentos da tua vida.
Abra os olhos e perceberás.

7 Comments

  1. Pingback: Encontro com Deus « EdificarBlog 9 de abril de 2009
  2. meiravany souza freitas 3 de janeiro de 2010
  3. edson calmon 27 de fevereiro de 2010
  4. maria joseli 21 de abril de 2010
  5. cilos torres 16 de novembro de 2010
  6. ellen 20 de novembro de 2010
  7. Pingback: Encontro com Deus « Segue-me Alexânia 30 de janeiro de 2011
  8. alef 20 de outubro de 2012
  9. Viviane 25 de abril de 2013

Deixe uma resposta