Despedida

Pegarei todos os meus sonhos
e os despacharei em envelope pardo,
destinatário incerto, sem remetente
Passarei um pincel escuro no arco-íris
que inocentemente eu desenhei,
carregado de cores.

Amassarei de vez todas as flores de mentirosas
esperanças e arrancarei até mesmo os falsos
botões que estão por vir.
Nublarei a noite quando ela me escancarar a lua cheia,
apagarei uma a uma,
todas as estrelas que teimarem em tremeluzir.

Tingirei de cinza a manhã mais luminosa do
meu santuário emudecerei o canto do meu
sabiá canoro e não farei mais festa para o meu colibri.
Desfarei todas as pegadas do caminho,
onde os teus passos e os meus estiveram perfilados.

Encherei de colcheias e semifusas confusas
todos os fados e canções que arrancaram
lágrimas deste meu coração emocionado.
Farei em pedacinhos,pequenas e grandes
lembranças palpáveis,
sem esquecer aquele CD e o vestido de marquinhas,
aquele que você gostava, mas não chegou a conhecer.

Destroçarei também as recordações não palpáveis,
que um dia me deram provas incontestes do teu amor
E dizimarei todas as angélicas hostes que me
atrelaram a ti, esquecidas da minha dor.

E , se porventura em sonhos,
minha alma desvairada te buscar e,
em prantos te encontrar andando pela rua,
Abraça-me, com aquele carinho de antigamente
Porque sonhando, nossas almas não mentem
E a minha te dirá que ainda… SOU TUA!

Deixe uma resposta